A comparação entre materiais é inevitável. Uma pergunta recorrente, qual é melhor material para se usar quando estou reformando ou construindo os meus móveis? A resposta não poderia ser outra: depende.

Cada material citado acima tem sua particularidade e sua peculiaridade. A melhor saída é analisar caso a caso, mas para isso vamos explicar antes um pouco de cada material.

MADEIRA MACIÇA

A madeira é bastante conhecida, principalmente no Brasil onde há uma estimativa de mais de 11.000 espécies somente na floresta Amazônica¹. O número é impressionante, somos um país mega diverso, abrigando uma das floras mais exuberante e diversificada do mundo. Nem toda madeira é recomendada para a fabricação de mobiliário, pois cada uma possui uma densidade, características de veio e cor, usinabilidade (facilidade com que o material pode ser cortado, torneado, fresado ou furado), entre outros fatores que devem ser considerados na hora de escolher.

O WWF produziu e disponibiliza um enorme catálogo e uma explicação extensa para um único post. Vale a pena conferir dados mais técnicos, científicos e também eles mostram os cortes e as tonalidades das madeiras mais utilizadas.

Madeiras maciças

Exemplo de diferentes tonalidades e espécies de madeira maciça

Voltando aos detalhes pertinentes ao mobiliário a madeira maciça é muito bem utilizada quando há necessidade estrutural (isso também pode variar de acordo com o desenho da peça) como por exemplo em uma cadeira. Com uma madeira resistente e um desenho apropriado é possível sustentar uma grande quantidade de peso em apenas 3 apoios ou 4. Estruturas de mesa também são um ótimo exemplo para exemplificar o uso da madeira maciça, com pés nas extremidades é possível vencer um grande vão com uma viga não muito larga. Ainda há marceneiros mais tradicionais que preferem o uso dessa inclusive para criados, móveis de apoio, mesas laterais e até mesmo portas de armários. A madeira maciça por ter um volume maior pode ser trabalhada com encaixes e secções largas, como 5×5 cm, em outro material seria necessário colar, prensar e depois usinar para se chegar nessas dimensões. A madeira possui tonalidades que podem variar desde um amarelo pálido, quase branco, como no pinus, (Pinus elliottii) até muito escura como o pau-santo (Zollernia Paraensis) , passando por madeiras bem desenhadas como a muiracatiara.

Os pontos negativos da madeira maciça refletem sua origem. Por ser uma matéria-prima natural a madeira varia de acordo com a umidade, portanto há uma dilatação nas madeiras de acordo com o ambiente e estações do ano. Isso significa que podem ocorrer rachaduras e frestas. Basta pensarmos em um piso de alguma casa antiga e já é possível recordar frestas e tacos empenados, muitas vezes fora do lugar porque já não se encaixam mais. O próprio ranger da madeira, muito utilizado nos filmes de terror, é um fenômeno natural. A madeira precisa de um repouso para estabilizar a umidade interna e se trabalhada em um timing incorreto pode empenar ou gerar os outros problemas listados acima.

MDF

Imagine todo o pó e o refugo de uma marcenaria, bem triturado, misturado com cola e alguns produtos químicos prensados e temos o MDF (Middle Density Fiberboard). Não é exatamente assim mas, simplificando, é. O MDF não deixa de ser uma madeira, mas trabalhada de uma outra forma para formar painéis de espessuras variadas. Apesar do grande preconceito o MDF é um material bom, encontramos móveis fabricados de MDF com alto valor em lojas de design de altíssima qualidade, a única diferença é que nesse caso são trabalhados na forma correta.

O MDF possui como característica a cor uniforme, ótima usinabilidade, aceita bem pinturas, laminados melamínicos ou lâminas de madeira natural, por ter uma superfície extremamente lisa. O MDF não dilata como a madeira maciça, possui normalmente algum tipo de tratamento antibactericida e antifúngico e não é atacado por pragas, como cupins (dizem que não tem um gosto bom) mas é sempre bom checar se o material é imunizado. A maior característica que o popularizou: tem um comportamento previsível, por ser um produto industrial, além de ser fabricado em série e possuir um custo baixo em relação aos outros materiais.

Pontos negativos do MDF são alguns e que podem ser de certa forma contornados. O MDF possui baixíssima resistência a umidade ou qualquer tipo de líquido que entre em contato com ele. Pode-se observar na imagem que ele é mais compacto e resistente nas extremidades, com um miolo mais mole. Quando a água entra em contato com o centro ele se expande, se persistir o MDF pode até dobrar de tamanho – basta fazer uma analogia com um papelão para que todos compreendam. Existe um MDF naval no mercado, de coloração esverdeada, que pode ser utilizado ao invés do MDF comum, porém o custo é mais alto. Uma outra alternativa é também MDF Valchromat, já colorido na massa, que não precisa necessariamente de acabamento ou pintura e pode ser usado em projetos ou móveis diferenciados.

O MDF não aceita muito bem montagem e desmontagem do móvel, o buraco do parafuso começa a espanar, além de não aceitar bem parafusos de topo. Com uma densidade média de 700 kg/m³ o MDF é pesado e não aceita grande vãos, como em prateleiras. Prateleiras inteiramente fabricadas de MDF costumam embarrigar com um peso médio ou com um peso constante. As resinas utilizadas na fabricação do MDF utilizam formaldeído que comprovadamente, em concentrações mais elevadas, causam prejuízos a saúde ou agravam sintomas do trato respiratório. Sendo liberado ao longo da vida útil do produto no ar ele eleva as concentrações no ambiente, podendo afetar mais facilmente crianças e adolescentes. Apesar dos fabricantes citarem quantidades muito pequenas é pertinente considerar que muitas vezes o móvel vai ficar em um ambiente que ficamos muito tempo, como no armário de um quarto. O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) baniu o uso de produtos e chapas que utilizam uréia-formaldeído na composição das resinas.

mdf-mdp

MDF (esquerda) e MDP (direita)

MDP

Middle Density Particleboard é o novo aglomerado, ou antigo, afinal essa mudança de nome foi mais marketing do que diferença de material. MDP é de certa forma semelhante ao MDF mas ao invés de ser uma madeira triturada são de fato partículas de madeira maciça e isso confere mais resistência se comparado ao MDF. Novamente pela economia de algumas empresas, principalmente grandes magazines que competem por preço, foi um material mal utilizado e consequentemente ficou com uma má fama. Espessuras incorretas, ferragens pequenas e o próprio ato de montar o material por montadores que desconhecem a natureza do produto levou esse material a marginalidade. Ele é mais leve e consegue vencer vãos maiores, no entanto não possui boa superfície para acabamentos finos como pintura ou colagem de lâminas de madeira.

Sua usinabilidade é boa e a descrição do MDP é muito semelhante ao MDF. Os pontos negativos são praticamente idênticos, tendo como vantagem o fato de ser mais leve. Dependendo do projeto pode ser bem interessante o uso do MDP sem nenhum tipo de cobertura, possui um padrão não uniforme mas diferente e agradável.

COMPENSADO

Existem três tipo de compensado, o multilaminado, sarrafeado e multisarrafeado. Para facilitar a explicação vamos dividir em dois somente.

O compensado multilaminado é formado por lâminas em camadas impares dispostas perpendicularmente uma a outra, desta forma melhora sua resistência e estabilidade. Este ainda possui dois tipos, o compensado com cola branca ou somente compensado e o naval. Neste último as chapas são coladas com cola melamina WBP ou fenólica WBP, que significa “water-boiled proof”, ou seja, a melamina é capaz de aguentar água fervente de 4 a 20 horas e a fenólica água em ebulição de 24 a 72 horas, claro que depende da qualidade de cada uma. Nota-se que para aguentar respingos e água de forma cotidiana, ou de leve a moderada, elas são altamente recomendáveis, podendo muitas vezes dobrar a vida útil da peça na qual foi aplicada. Essas colas WBP possuem como característica a cor preta.

O compensado sarrafeado é formado por lâminas de madeira com miolo em madeira maciça sarrafeada. É recomendada para portas ou outras aplicações longas por não empenar com facilidade.

O compensado multisarrafeado é semelhante ao sarrafeado mas as lâminas são menores, feitas de tiras retiradas de compensados laminados. As aplicações são as mesmas.

compensado-sarrafeado

Compensado multilaminado (esquerda) e sarrafeado (direita)

Mais leve que o MDF e o MDP e com características muito positivas quando falamos de móveis ou projetos sob medida os compensados são ótimos, mas como todo material vamos aos pontos negativos.

Os compensados são madeira, vamos dizer que são mais próximos da madeira do que o MDF ou o MDP portanto estão suscetíveis às dilatações, em menor escala, da madeira maciça. Sua superfície não é tão lisa, portanto não recebem muito bem colagens de lâminas naturais, ainda mais pelo fato das lâminas naturais também dilatarem com a temperatura e umidade, essa união de duas madeiras variando o volume em coeficientes diferentes é uma boa pedida para aparecer pequenas fissuras ao longo dos anos.

CONCLUSÃO, QUAL MATERIAL É MELHOR?

Depois de toda essa explicação fica difícil decidir. Com todos esses tipos de material vemos que não é por uma ou outra característica que a decisão deve ser feita e sim pelo conjunto da obra, qual o uso final do mobiliário, local de aplicação, tamanho, peso a ser suportado, entre outras coisas. O objetivo de todo esse texto é mostrar um pouco mais dos materiais para que vocês leitores não fiquem perdidos quando iniciarem a procura. Há tantas possibilidades que é possível até utilizar, no mesmo mobiliário, mais de um tipo de material, como MDF, compensado multilaminado e madeira maciça, todos juntos. Vale lembrar no custo também, que pode ser uma parte importante da sua decisão. Móveis de madeira maciça são muito trabalhosos, exigem uma expertise do marceneiro e por sua vez demandam um maior tempo de produção, encarecendo o produto final. Há madeiras importadas que chegam a custar mais de R$ 20.000 o metro cúbico.

O bom projeto realizado por um profissional competente é responsável pela durabilidade, pelo bom uso do material e tem maior relevância do que o material em si. O profissional contratado deve entender bastante sobre os materiais e processos produtivos para aproveitar todo o potencial e não gerar problemas futuros. A pessoa que executar deverá também levar em conta além do material a qualidade dos insumos e das ferragens, para garantir a consistência do projeto. Vale a pena compreender mais a fundo e economizar na dor de cabeça futura.

1. http://www.florestal.gov.br/snif/recursos-florestais/especies-florestais